Notícias - CRF-RS


13/12/2018 - 12h39

Informe da Comissão de Gerontologia

Farmácia amiga do idoso: é possível?

        Impresso


Informe da Comissão de Gerontologia

É de conhecimento de todos que a sociedade está envelhecendo. Em 2008, a Organização Mundial de Saúde publicou o Guia Cidade Amiga do Idoso que tem como objetivo mostrar como as cidades podem adaptar suas estruturas e serviços para que estes sejam acessíveis e promovam a inclusão de idosos com diferentes necessidades e graus de capacidade. 

Mas e a farmácia, será que está sendo amiga do idoso? Façamos uma reflexão sobre como o farmacêutico pode preparar sua farmácia para receber com excelência esta população que se encontra em franco crescimento!

Durante a prestação dos serviços farmacêuticos, ficamos muito atentos para que os usuários recebam todas as orientações necessárias quanto ao uso correto dos seus medicamentos. Buscamos informar sobre possíveis reações adversas e interações medicamentosas e identificar medicamentos que possam representar risco para a saúde do idoso, como aqueles considerados inapropriados, dentre outros; mas será o suficiente? 

A seguir mencionaremos alguns pontos sobre cuidado humanizado, segurança e acesso que pensamos ser pertinentes para um atendimento personalizado e de excelência. 

Tão importante quanto a adoção de procedimentos técnicos é a qualificação dos farmacêuticos e colaboradores para um cuidado humanizado. Neste sentido, priorizar o conhecimentodo ser humano, suas dificuldades e deficiências poderão contribuir efetivamente paraos resultados que esperamos para uma boa adesão à terapia. O farmacêutico e sua equipe precisam usar de empatia para que o idoso lhe confidencie seus problemas e aflições.

A pessoa idosa necessita de maior paciência e um acolhimento diferenciado. O profissional tem que estar preparado para possíveis dificuldades de entendimento devido à audição, visão e mobilidade que podem estar comprometidas.A primeira atitude que deve ser assumida no atendimento é ouvir o idoso, aproximar-se e falar devagar. É necessário ter uma linguagem acessível, ouvir suas dúvidas e orientá-los de forma cordial de como devem seguir seu tratamento. Podem sentir-se mais valorizados se forem chamados pelo nome. Acomodá-los de forma confortável também pode fazer a diferença.O pagamento também pode constrangê-lo e por isso deve-se dar o troco aos poucos, contando em voz alta, para que ele sinta confiança ao ir ao estabelecimento.

Tudo isto tem a intenção de que o idoso possa ver na farmácia um local seguro para fazer compras. Ter um auxílio de um atendente torna o momento mais prazeroso, mas estruturalmente também deve estar adaptada. Assim a farmácia do idoso precisa ter rampas de acesso, layout amplo, claro, identificações maiores dos produtos, locais para que ele possa descansar ou ser atendido sentado, banheiros que garantam sua mobilidade.

Assim, este estabelecimento que muitas vezes é visto pelo idoso como somente um local comercialrelacionado a sua doença pode se tornar aquele de promoção de bem estar, saúde e qualidade de vida.

Em caso de comentários e sugestões de melhorias sobre a matéria, entre em contato com as Comissões Assessoras através do e-mail comissoes@crfrs.org.br.

Havendo dúvidas sobre o conteúdo da norma, consulte a Orientação Técnica (orienta@crfrs.org.br ou 51-30277500).






Encontrou algum erro ou conteúdo desatualizado em nosso site? - Clique AQUI e reporte para nossa área de qualidade.